TOMATE: Seca e calor podem causar danos à produção de verão

Os transplantios da área de verão de tomate, que tiveram início em agosto, devem atingir o pico neste mês. Porém, o clima seco e quente vem elevando a incidência de pragas nas lavouras.

Em Venda Nova do Imigrante (ES), a maior reclamação dos produtores é com relação à larva-minadora, que causa danos às folhas e, com isso, reduz a taxa fotossintética das plantas. A incidência de larva-minadora também tem se elevado em Itapeva (SP), assim como de tripes e, principalmente, traças – sendo esta última um problema recorrente em safras recentes.

Diante deste cenário, a produtividade das lavouras de tomate pode ser afetada, pelo menos no início da colheita. Na praça paulista, as atividades devem começar na última quinzena deste mês, de forma mais precoce – como no ano passado –, estimuladas, em parte, pela aceleração dos ciclos das plantas, em decorrência das altas temperaturas.

Quanto à região capixaba, a safra de verão deve se iniciar no final de novembro, junto com Nova Friburgo (RJ) e Agreste de Pernambuco. Já nas praças de Caçador e Urubici (SC), a colheita está prevista apenas para o final de dezembro, com 70% dos transplantios de mudas ocorrendo em outubro.

Fonte: hfbrasil.org.br

Matéria publicada em 09/10/2020