Assim como no Brasil, a oferta de melão está baixa na Europa nos últimos meses, segundo notícia do Fresh Plaza. Esse cenário elevou as cotações na roça e, consequentemente, afetou as margens dos distribuidores. Na Espanha, principal país europeu produtor, a safra se atrasou diante do impacto do clima, sobretudo na fase de floração – chuvas abundantes e frio. Além disso, houve redução da área cultivada por lá. O clima também afetou o rendimento dos pomares e a qualidade da fruta na Espanha, havendo maior oferta de melões miúdos, que estão sendo exportados.

Diante deste cenário de baixa oferta na Europa, distribuidores europeus estão buscando por mais melões nos países da África e da América. Assim, mesmo com a produção brasileira em entressafra, os embarques ao velho continente cresceram. De acordo com a Secex, o volume exportado pelo Brasil foi de 14,98 mil toneladas entre abril e maio, aumento de 38% frente ao mesmo período do ano passado. A receita em dólar foi de US$ 9 milhões (FOB), incremento de 50% na mesma comparação. O aumento poderia ser ainda maior se não fosse ao impacto das chuvas no Rio Grande do Norte/Ceará.

Fonte: Cepea/Hortifruti