Devido às recentes altas nos preços, produtores têm demonstrado baixo interesse em comercializar as poucas áreas de mandioca disponíveis. Além disso, segundo informações de colaboradores do Cepea, o menor teor de amido nas raízes também é motivo de retração dos mandiocultores. Ao mesmo tempo, fecularias e farinheiras têm aumentado o interesse na industrialização da matéria-prima, elevando a disputa pelo produto. Nesse cenário, de acordo com dados do Cepea, os preços continuam em alta em todas as regiões. A média nominal a prazo da tonelada de mandioca posta fecularia subiu 6,8% na semana passada, a R$ 659,52 (R$ 1,1470 por grama de amido), a maior em quatro anos, em termos nominais.

Fonte: Cepea