Diante das dificuldades da economia, onde o poder de consumo do brasileiro vem sendo reduzido pela inflação, as exportações são uma alternativa importante para os produtores, principalmente com o dólar valorizado frente ao real. O Canadá, por exemplo, hoje é apenas o 16º colocado na lista de compradores de produtos brasileiros, mas o volume de embarques vem crescendo, especialmente de frutas.

Lucas Brotto é produtor de frutas de uma família que produz e exporta figos há mais de 20 anos. Recentemente ele decidiu ampliar a produção para goiaba e uma fruta pouco conhecida dos brasileiros: a atemoia.

“A atemoia é uma fruta muito doce e preço dela é um pouco alto aqui no Brasil, comparado com outras frutas que a gente conhece, como manga, melão, mamão. A atemoia está numa classe um pouco mais alta, mas está no nosso paladar. Acho que vamos consumir muito a fruta nos próximos anos”, destaca o produtor.

Hoje Brotto exporta 60% de toda sua produção. O principal destino é o Canadá que se tornou um importante comprador de frutas brasileiras, como melão, manga, mamão, limão e figo.

“A grande vantagem brasileira é o fato de nós estarmos no hemisfério sul e as safras são opostas as safras do hemisfério norte. Pegando o exemplo do figo, que estamos entrando na safra agora, enquanto Grécia, Turquia e México estão no final. E como falta figo para o Canadá, é o momento perfeito para o Brasil entrar porque é o período da safra brasileira”, ressalta o desenvolvedor de novos mercados agrícolas, Marcelo Oliveira.

A maior parte da exportação de frutas do Brasil para o Canadá é feita por avião, o que favorece a qualidade do produto.

“Hoje a gente consegue em até 36 horas colocar a fruta que sai de alguma capital do Brasil no mercado canadense, então a fruta chega lá tão fresca para o canadense poder degustar, poder comprar e até pagar um preço mais caro, talvez até por conta disso. Isso faz com que a fruta ganhe um destaque na pauta de exportações”, frisa o gerente de negócios da Câmara de Comércio Brasil-Canadá, Armínio Calonga Júnior.

Fonte: Canal Rural