O mercado de agricultura de precisão deve crescer de US$ 12,9 bilhões (R$ 72,2 bilhões) em 2021 para US$ 20,8 bilhões (R$ 116,4 bilhões) em 2026 com um ritmo de 10,1% ao ano, segundo a consultoria Market and Markets.

A consultoria inclui sob o conceito de agricultura de precisão (inteligente ou smart agriculture) o uso de sensores, equipamentos de automação, softwares de inteligência artificial (IA) e internet das coisas (IoT).

Segundo o relatório, o setor registrou crescimento significativo nos últimos anos, mas teve uma retração em 2020 por conta da pandemia de Covid-19, que prejudicou as principais companhias do segmento na China e nos EUA.

Entre elas, a John Deere, Trimble, DeLaval, Ponsse, The Climate Corporation e AKVA Group viveram uma desaceleração em suas operações no primeiro semestre de 2020. Contudo, o setor teve uma forte retomada na segunda metade de 2020.

Assim, deverá testemunhar uma recuperação em forma de U a partir de 2021 com a crescente demanda por equipamentos e produtos em várias aplicações e, também, pelo aumento da demanda mundial por alimentos.

As aplicações da agricultura inteligente são utilizadas em todos os setores da agropecuária, como agricultura, pecuária, aquicultura, silvicultura, estufas inteligentes e horticultura.

Retorno

A agricultura inteligente favorece maiores margens para o agronegócio se usada em todo o seu potencial para ganho de eficiência. Suas ferramentas permitem irrigação e aplicações de fertilizantes, defensivos e outros insumos com baixos níveis de desperdício.

O uso de tecnologias modernas, como softwares, taxa variável (VRT), GPS e gerenciamento de dados, ajuda a aumentar a fertilidade e a lucratividade por maximizar a produtividade e reduzir o custo da agricultura.

Este conjunto de fatores, segundo o estudo, tornará o agronegócio mais lucrativo do que nunca.

Desafio

Contudo, o gerenciamento de dados é um grande desafio enfrentado pelos usuários de ferramentas agrícolas inteligentes.

Os dados obtidos em fazendas são muito importantes para ajudar agricultores a tomar decisões, mas não existe um padrão para gerencia-los e isso torna a tarefa difícil para os produtores.

O desafio é padronizar o sistema de gerenciamento de dados em toda a indústria para permitir uniformidade de operações.

Produtores médios

As fazendas de médio porte devem liderar o próximo avanço do mercado de agricultura inteligente até 2026, uma vez que as grandes propriedades já tiveram tais avanços em boa medida.

Outros fatores para a maior penetração de tecnologias em fazendas de médio incluem o barateamento de tais ferramentas, flexibilidade na integração de softwares e grande economia em custos com mão de obra por meio de ferramentas automatizadas.

Fonte: Canal Rural