O baruzeiro, árvore nativa do Cerrado, é uma das espécies de fruteiras nativas mais promissoras para plantio em sistemas de integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF), de acordo com a Embrapa. Atualmente, o eucalipto é o gênero mais utilizado nesses sistemas em que lavouras de grãos, árvores e rebanhos são produzidos em um mesmo espaço. No entanto, o baruzeiro possui uma vantagem: além da madeira, a árvore produz uma valiosa semente.

baru, cumaru ou cumbaru, como é conhecido, assemelha-se a uma castanha e a demanda por ele tem crescido nos últimos anos no Brasil e no exterior. A previsão de crescimento de sua comercialização é de 25% ao ano entre 2019 e 2029, segundo artigo publicado na revista de pesquisas sobre mercados Fact.MR.

Segundo a Embrapa, o Brasil é o principal país que produz essa espécie. Quase metade da produção das sementes é vendida para o exterior: 25% para a Europa e outros 22% para os Estados Unidos. Um dos motivos do aumento da comercialização desse produto, segundo a publicação, é a busca por alimentos saudáveis.

Os frutos vêm do extrativismo, o que pode ajudar no aumento de renda das comunidades tradicionais. No entanto, a demanda pode ser maior do que o país tem capacidade de fornecer. Por isso, é fundamental o desenvolvimento de sistemas de plantios comerciais da espécie. “Isso vai possibilitar o aumento da produção e da renda dos produtores rurais”, analisa o pesquisador da Embrapa Cerrados Fernando Rocha, líder do projeto que avalia espécies nativas — baru, mangaba e pequi — em sistemas ILPF.

A indicação do baruzeiro para sistemas integrados considerou várias questões, incluindo o potencial econômico da planta. “O baru pode ser outra fonte de renda para os produtores. A planta tem porte e características físicas adequadas. O produtor pode vender o fruto e ainda tem a madeira, sendo de ótima qualidade e pode trazer uma renda considerável”, explica a pesquisadora Maria Madalena Rinaldi.

Um dos desafios para a ampliação do uso do baruzeiro é a produção de mudas de qualidade. 

Atualmente, não há metodologia desenvolvida para sua reprodução assexuada, que garante que as novas plantas tenham as mesmas características da planta-mãe, o que não acontece quando as mudas são produzidas a partir das sementes.

“O desenvolvimento de um protocolo para produção de clones de baru é muito importante quando se pensa em plantios comerciais. Quando se tem uma boa planta e se faz um clone, muito provavelmente ele será excelente também”, afirma o pesquisador da Embrapa Wanderlei Lima. Os resultados dos experimentos em andamento são bastante promissores.

Com a enxertia, o percentual de pegamento das mudas pode chegar a 60%. As mudas produzidas a partir de sementes foram usadas como porta-enxerto: parte da planta onde é inserido o material de outra da qual se quer obter as mesmas características. 

“Esse trabalho traz práticas inéditas para todos. Estamos muito otimistas de que a enxertia será uma técnica viável para o baruzeiro”, afirma. O próximo passo é aprimorar o processo utilizando a experiência adquirida no primeiro experimento e chegar de 80% a 90% de pegamento. “Acredito que se aprimorarmos essa técnica, podemos chegar a uma metodologia de reprodução assexuada”, prevê Lima.

A busca por boas sementes

“Começamos caracterizando os frutos e as sementes. Precisamos de boas sementes para termos boas mudas.” Rinaldi explica que um cultivo bem-sucedido começa com a semente, que tem que possibilitar sua multiplicação. Para isso, ela avaliou a safra de 2019 dos frutos da área experimental da Embrapa Cerrados (DF) e de amostras de árvores selecionadas por agroextrativistas de Arinos (MG). 

Foi analisada a produção total do experimento da Embrapa Cerrados, 1.932 amostras, além de outras 300 de Arinos. Os frutos e as sementes foram avaliados quanto ao seu tamanho e formato e se possuíam sementes. Quanto maior o tamanho dos frutos maior será a probabilidade de rendimento em polpa e semente superiores. A homogeneidade dos tamanhos também é outra característica desejável. 

Os resultados mostraram que as árvores do experimento da Embrapa apresentam diferenças consideráveis quanto à produção e à viabilidade de frutos e sementes e também em relação às suas características físicas. No entanto, não houve diferença na composição das sementes dos dois locais de coleta, Distrito Federal e Minas Gerais. 

“Buscamos plantas que tenham características desejadas, como boa quantidade de proteína na semente, e também funcionais, como níveis de vitamina C, antocianinas e flavonoides”, informa a pesquisadora. As safras de 2020 e 2021 passarão pelas mesmas análises, o que gerará dados bastante consistentes sobre os frutos e as sementes do baru.

Experimentos inéditos

Cerca de 400 mudas estão prestes a serem levadas a campo, para uma área de três hectares na Embrapa Cerrados. Esse será um dos primeiros experimentos de ILPF do Brasil com espécie frutífera nativa do Cerrado. As sementes usadas vieram de uma matriz da Embrapa Cerrados e dez de Arinos. 

“Vamos ver como será o comportamento da árvore no sistema. Primeiro será cultivada soja ou sorgo, dependendo do período do plantio, e depois culturas anuais. Por último será feito o plantio de pastagens para inserir os animais na área”, informa a pesquisadora Karina Pulrolnik.

“O baru é uma espécie que nasce relativamente bem. É importante usar sementes de frutos recém-colhidos e bem armazenados”, informa o pesquisador Tadeu Graciolli. Para formar as mudas, ele preparou um substrato com terra e fibra de coco e usou um fertilizante de liberação lenta. Em um novo projeto, Gracioli estudará a formulação de um substrato específico para o baru.

Ainda neste ano também será implantado o primeiro experimento com testes de adubação para definição dos níveis de correção do solo e adubação para o baruzeiro. “Ouvimos sempre as pessoas falarem que não é necessário adubar as espécies nativas porque elas já estão adaptadas às condições do solo do Cerrado. Mas vamos testar para ver se é possível melhorar os resultados das plantas”, explica a pesquisadora Helenice Gonçalves, responsável pela atividade.

Fonte: Canal Rural