O mamão brasileiro tem conquistado ainda mais espaço na Europa, que já é o principal destino internacional da fruta produzida no País e que tem sido responsável por aumentos significativos das exportações nacionais. Na parcial deste ano (de janeiro a julho), mesmo com alguns entraves logísticos, o volume embarcado ao velho continente já soma 30,3 mil toneladas, a maior quantidade registrada na série histórica da Secex, iniciada em 1997 – essa quantidade corresponde a 90% do volume embarcado pelo Brasil no período. A receita recebida com esses embarques (em dólar) alcançou US$ 30 milhões (FOB), a segunda maior da história, ficando apenas 3% abaixo do recorde, atingido em 2018. Vale destacar que, quando convertida para Reais, a receita é ainda mais positiva, devido ao câmbio atrativo. Para o restante do ano, segundo pesquisadores do Hortifruti/Cepea, a expectativa é de que as exportações brasileiras de mamão permaneçam elevadas, devido à firme demanda internacional e à retomada dos voos comerciais – lembrando que, por conta da covid-19, aviões cargueiros têm sido mais utilizados, embora não sejam o transporte ideal para esta fruta. 

Fonte: Cepea