mercado futuro do café arábica voltou a operar com valorização para os principais contratos na Bolsa de Nova York (ICE Future US). Na última sessão, os contratos recuaram mais de 3% no exterior. “As cotações atuais em NY não refletem os estragos das geadas e ventos frios no decorrer do mês de julho e da seca do primeiro semestre deste ano para a safra brasileira de café do próximo ano”, destaca a última análise do Escritório Carvalhaes. 

Por volta das 09h21 (horário de Brasília), setembro/21 tinha alta de 145 pontos, negociado por 174,25 cents/lbp, dezembro/21 registrava alta de 155 pontos, valendo 177,30 cents/lbp, março/22 tinha alta de 170 pontos, negociado por 179,95 cents/lbp e maio/22 tinha valorização de 165 pontos, valendo 181,85 cents/lbp. 

Na Bolsa de Londres, o conilon também abriu com valorização. Setembro/21 teve alta de US$ 21 por tonelada, valendo US$ 1774, novembro/21 tinha alta de US$ 21 por tonelada, valendo US$ 1787,  janeiro/22 tinha valorização de US$ 29 por tonelada, cotado a US$ 1785 e março/22 registrava alta de US$ 31 por tonelada, valendo US$ 1780.

Ainda de acordo com Carvalhaes,o mercado segue fortemente comprador para arábica e conilon, mas nas bases de preços oferecidas são poucos os cafeicultores dispostos a vender. Há duas semanas, com as incertezas na produção de 22, o produtor pouco participa do mercado. A volatilidade nos preços já era esperada pelo setor, que agora aguarda o retorno das chuvas no mês que vem. 

Fonte: Notícias Agrícolas