Nesta terça-feira, 6, o contrato para maio ultrapassou os R$ 100 por saca pela primeira vez. E nesta quarta-feira, 7, a previsão se confirmou pelo quinto dia consecutivo.

De acordo com o gerente de consultoria agro do Itaú BBA, Guilherme Belotti, há uma conjugação de fatores para explicar a alta no preço da saca. “No cenário internacional, a safra 2021/2022 dos Estados Unidos terá uma oferta menor, e na Argentina, por causa do clima seco, a lavoura está comprometida, o que indica um balanço global apertado”, afirma.

No Brasil, também há a preocupação com a baixa disponibilidade. “Avançando a safra verão, o produtor tem segurado o produto no mercado esperando um preço melhor”, relata.

Em relação à demanda, as perspectivas são otimistas, garante Bellotti. “Quando olhamos a demanda, o cenário é positivo, principalmente do lado internacional. Apesar de problemas com a peste suína africana, observamos uma recomposição do rebanho da China, o que influencia positivamente as exportações brasileiras”, completa.

Fonte: Canal Rural