Em meio ao cenário de pandemia de covid-19, boa parte dos brasileiros apresentou mudanças no perfil de consumo, devido aos impactos na renda e no desemprego. A grande maioria da população já sente os impactos da crise no bolso, o que influencia, diretamente, nas categorias de alimentos adquiridos. Essa interferência atingiu principalmente a classe média, uma vez que a maioria dos indivíduos dessa categoria não contou com o auxílio emergencial, distribuído pelo governo especialmente para os mais pobres. Desse modo, as compras foram freadas, e a busca por alimentos básicos continua sendo prioridade. O consumo de produtos ultraprocessados (usualmente por conta do menor valor de venda e fácil acesso), práticos e snacks continuaram em ascensão, mesmo que práticas mais saudáveis tentem se sustentar entre a população. Os ultraprocessados também entraram na lista dos brasileiros, devido à busca por alimentos prazerosos, em meio a todo o estresse vivenciado, e à praticidade no preparo e armazenamento, uma vez que as pessoas querem evitar muitas idas às compras. No entanto, com mais refeições caseiras e o surgimento de “novos chefs” nos lares brasileiros, os hortifrútis não foram esquecidos e estão mais incluídos nas listas dos consumidores e nas receitas! Neste ponto, uma nova preocupação surge: a higiene com os produtos. Consumidores estão optando cada vez mais por embalagens seguras e que garantam maior proteção dos HFs – especialmente nas classes mais altas.

Fonte: Hf Brasil