No geral, a oferta de maçã fuji esteve limitada nas classificadoras do Sul do Brasil em fevereiro, fato que até assegurou melhores preços para a variedade em comparação com a gala. Contudo, agentes consultados pelo Hortifruti/Cepea relataram que alguns lotes antecipados começaram a aparecer no decorrer do mês, já que parte dos produtores tentou aproveitar os bons preços.

Inicialmente, estavam entrando no mercado apenas as frutas que ainda não haviam atingido o ponto ideal de maturação. Agora, além destas, há as que maturaram mais cedo, possivelmente a fuji suprema de áreas mais quentes de Fraiburgo (SC), São Joaquim (SC), Vacaria (RS) e Caxias do Sul (RS) – essa, geralmente, possui um calendário um pouco mais adiantado frente aos demais clones da variedade.

Assim, houve amostragem suficiente de preços da fuji na Ceagesp nas três últimas semanas de fevereiro. Na primeira (08 a 12/02), a média registrada foi de R$ 140,00/cx de 18 kg para o calibre 110 Cat 1 e, na última (22 a 26/02), de R$ 105,00/cx para o mesmo padrão – queda de 25% entre um período e outro. Vale destacar que o preço da gala 110 Cat 1 fechou com média de R$ 89,94/cx, diante da maior oferta na ocasião.

Ainda não há consenso entre agentes se o ritmo de colheita da fuji aumentará antes da segunda quinzena de março. Porém, como a atividade geralmente ocorre em meados do mês, é esperado que as cotações da variedade sigam recuando. Destaca-se que o volume produzido da fuji na safra 2020/21 pode se recuperar em todas as regiões.

Fonte: hfbrasil.org.br