Com a proximidade do encerramento da colheita das laranjas remanescentes de 2020/21 (pera temporã e variedades tardias), a procura por frutas com qualidade tem se intensificado, o que impulsionou as cotações. Nesta semana (08 a 12/02), a pera registrou média de R$ 38,55/cx de 40,8 kg, na árvore, leve alta de 1,8% em relação à semana passada.

A perspectiva é de que os preços permaneçam firmes neste e no próximo mês, uma vez que a disponibilidade de laranjas precoces deve aumentar somente a partir de março e abril, quando as “bocas de safra” de 2021/22 começam a ser colhidas.

No mercado de lima ácida tahiti, o início da colheita de frutas provenientes da segunda florada, que têm menor oferta, elevou expressivamente as cotações da variedade no estado de São Paulo. Além disso, houve melhora no padrão de qualidade. Assim, a média da tahiti na semana foi de R$ 37,21/cx de 27 kg, colhida, alta de 76,6% em relação à da semana anterior.

Segundo agentes, a maior parte das frutas “amareladas”, provenientes das primeiras floradas, já foi enviada para moagem. Este cenário, portanto, pode manter o volume disponível equilibrado no mercado de mesa nas próximas semanas.

Fonte: Cepea/Hortifruti