Parabéns produtores, corretores e empacotadores que ontem reportaram mais de 40 mil sacas vendidas para o PNF – Preço Nacional do Feijão. Não temos a pretensão de reportar todas as vendas deste mercado gigante, mas o suficiente para que haja a referência para todo o mercado. A boa demanda desta quarta-feira serviu para que os fomentadores de fake news no mercado ficassem em silêncio.

Demostravam que estavam confiantes, até poucos dias, na queda dos preços do Feijão-carioca junto ao produtor, pelo menos era o que espalhavam aos quatro ventos, mas quem já acompanha de perto o dia a dia do mercado percebeu alguns motivos para que qualquer recuo não seja consistente e o viés de alta continue:

1 – Não há armazéns com estoques espalhados pelas regiões produtoras, algo que acontecia nesse período com frequência em outros anos;

2 – A safra paulista já passa, segundo estimativas, de 60% colhido e destes mais de 50% comercializado;

3 – O atraso no plantio do Paraná ninguém discute e a Secretaria de Agricultura daquele estado já admite diminuição na produtividade também; 

4-  O Feijão subiu durante o ano e chegou a ser vendido, segundo o IEA Instituto de Economia Agrícola,  na gôndola, R$ 8,16 por quilo preço médio em São Paulo no mês de junho.  Sendo assim, há espaço para reagir 15 % até que volte a ter o preço de junho e passar a ser manchete nas mídias populares;

5 – Dizer que o consumo vai cair se subir o preço é desnecessário, uma vez que ele sobe justamente para diminuir o consumo e equilibrar o que há disponível com o consumo;

6 – Sempre que a imprensa em geral noticia que os preços estão subindo, dispara a demanda e sustenta as reações no campo.

Fonte: Ibrafe